Apple elege os 12 melhores aplicativos do ano

A Apple revelou hoje, durante a WWDC, os vencedores de seu prêmio anual “Design Awards”, que destaca os melhores aplicativos para iOS em termos de design e inovação. Entre os ganhadores, está uma dupla brasileira pela primeira vez.

Os brasileiros que ganharam o prêmio são Gabriel Mathias Rocha e Victor Lappas Giménez, da Bytebrushers, que criaram o game jump-O.

Confira abaixo os 12 ganhadores.

Shadowmatic: grande vencedor desse ano, o game de quebra cabeça permite ao jogador encontre figuras a partir das sombras formadas por objetos. Disponível para iOS 6.0 ou superior.

Metamorphabet
:
game educacional que traz um alfabeto interativo. Disponível para iOS 7.0, Mac OS X 10,7 e Windows 7 ou superior.

jump-O
:
o game produzido pelos brasileiros que ganhou destaque graças ao seu minimalismo. Disponível para iOS 7.1 ou superior.

Robinhood
:
o app permite trocar ações entre os próprios usuários, evitando pagar por taxas a cada transação; não está disponível no Brasil.

Crossy Road
:
lembra o famoso game Frogger só que de uma forma reinventada. Disponível para iOS 7.0 e Android 2.3 ou superior.

Fantastical 2
:
o app é um calendário desenhado exclusivamente para o Mac OS X Yosemite.

Affinity Designer:
programa de edição de imagens para Mac OS X, voltado em especial para imagens vetorizadas.

Workflow
:
permite criar mais de 200 ações em diferentes aplicativos de Iphone e Apple Watch, como atalhos para um contato ou mapa. Disponível para: iOS 8.0 ou superior.

Does Not Commute
:
um game que mistura direção e raciocínio, disponível para iPhone, iPod, iPad e Android.

Vainglory
:
é um game online em que as disputas são realizadas em arenas, está disponível para iPhone, iPod e iPad.

Pacemaker
:
app de mixagem de músicas, feito para iPhone, iPad e Apple Watch. Disponível para iOS 8.0 ou superior.

Elementary Minute:
um quizz game, mas com ritmo mais acelerado e design simples, com dois modos de jogo. Disponível para iOS 7.1 ou superior.

Via Apple.

Leia Mais

Proteção DDoS através de script

A melhor definição para isso foi do Spookerlabs – “Povo ofecerando milagras e veja pq nao funciona”

Antes de começar este artigo, gostaríamos de informar que a ServerMedia já trabalha com servidores que detem uma proteção de DDoS física, tornando seu negócio mais seguro.

Muitos blogs e sites vêm divulgando alguns scripts milagrosos que prometem parar ou mitigar ataques DDoS utilizando regras para o Iptables e tuning para o Linux, eles mais parecem propaganda religioso que passam de madrugada.

Abaixo, segue uma pequena lista de scripts e configurações que a galera utiliza no APF, Iptables e tuning no Linux achando que irão resolver os ataques DDoS como um passe de mágica:

service apf stop
iptables -F
wget http://www.hackersgarage.com/wp-content/uploads/2011/08/antiDDoS.txt
mv antiDDoS.txt antiDDoS.sh
chmod u+x antiDDoS.sh
./antiDDoS.sh

echo "Block TCP-CONNECT scan attempts (SYN bit packets)"
iptables -A INPUT -p tcp --syn -j DROP
echo "Block TCP-SYN scan attempts (only SYN bit packets)"
iptables -A INPUT -m conntrack --ctstate NEW -p tcp --tcp-flags SYN,RST,ACK,FIN,URG,PSH SYN -j DROP
echo "Block TCP-FIN scan attempts (only FIN bit packets)"
iptables -A INPUT -m conntrack --ctstate NEW -p tcp --tcp-flags SYN,RST,ACK,FIN,URG,PSH FIN -j DROP
echo "Block TCP-ACK scan attempts (only ACK bit packets)"
iptables -A INPUT -m conntrack --ctstate NEW -p tcp --tcp-flags SYN,RST,ACK,FIN,URG,PSH ACK -j DROP
echo "Block TCP-NULL scan attempts (packets without flag)"
iptables -A INPUT -m conntrack --ctstate INVALID -p tcp --tcp-flags ! SYN,RST,ACK,FIN,URG,PSH SYN,RST,ACK,FIN,URG,PSH -j DROP
echo "Block "Christmas Tree" TCP-XMAS scan attempts (packets with FIN, URG, PSH bits)"
iptables -A INPUT -m conntrack --ctstate NEW -p tcp --tcp-flags SYN,RST,ACK,FIN,URG,PSH FIN,URG,PSH -j DROP
echo "Block DOS - Ping of Death"
iptables -A INPUT -p ICMP --icmp-type echo-request -m length --length 60:65535 -j ACCEPT
echo "Block DOS - Teardrop"
iptables -A INPUT -p UDP -f -j DROP
echo "Block DDOS - SYN-flood"
iptables -A INPUT -p TCP --syn -m iplimit --iplimit-above 9 -j DROP
echo "Block DDOS - Smurf"
iptables -A INPUT -m pkttype --pkt-type broadcast -j DROP
iptables -A INPUT -p ICMP --icmp-type echo-request -m pkttype --pkttype broadcast -j DROP
iptables -A INPUT -p ICMP --icmp-type echo-request -m limit --limit 3/s -j ACCEPT
echo "Block DDOS - UDP-flood (Pepsi)"
iptables -A INPUT -p UDP --dport 7 -j DROP
iptables -A INPUT -p UDP --dport 19 -j DROP
echo "Block DDOS - SMBnuke"
iptables -A INPUT -p UDP --dport 135:139 -j DROP
iptables -A INPUT -p TCP --dport 135:139 -j DROP
echo "Block DDOS - Connection-flood"
iptables -A INPUT -p TCP --syn -m iplimit --iplimit-above 3 -j DROP
echo "Block DDOS - Fraggle"
iptables -A INPUT -p UDP -m pkttype --pkt-type broadcast -j DROP
iptables -A INPUT -p UDP -m limit --limit 3/s -j ACCEPT
echo "Block DDOS - Jolt"
iptables -A INPUT -p ICMP -f -j DROP

O script acima possui uma série de interpretações que levam ao erro, principalmente para aqueles que estão começando na área. Utilizar um firewall com regras de DROP à torto e a direita não é solução para um ataque DDoS – isso foi o que eu quis dizer logo no início do post e não ficou claro, erro meu..

Abaixo tem mais  um script que faz o download e de outros scripts que promete o falso milagre:

wget http://www.inetbase.com/scripts/ddos/install.sh
chmod 0700 install.sh
./install.sh

Outro ponto importante é que há analistas que acreditam que configurar um firewall “de foram correta” é garantir a integridade de seu ambiente – totalmente errado. O entendimento por completo dos protocolos TCP/IP  é outro erro praticado por muitos. O importante, acima de tudo, é entender como é originado, feito e direcionado um ataque, para dar inicio ao processo de mitigação. Um firewall não tem como bloquer um ataque Slowloris, e um IDS/IPS tem ? Outra discussão que vale a pena ser aborda em outro post. :)

Voltando aos ataques DDoS, as operadores – empresas de telecomunicação –  possuem um papel fundamental na proteção de ataques DDoS Layer4. Eles têm todos recursos e equipamentos para detê-los, fato. Porém elas pecam em bloquear todo o tráfico inbound para uma empresa que é alvo de um ataque, e pior, não investem no treinamento e aperfeiçoamento do seu pessoal. A resposta para o por que disso é bem simples – Sai mais barato deixar o circo pegar fogo ou fazer um regra super restritiva do que passar alguns minutos analisando logs e apontar a regra correto e que desafogará, em alguns casos, a infra do cliente.

Muitos dos ataques DDoS praticados nos últimos anos são difíceis de serem bloqueados devido a dispersão geográfica e também ao seu poder de fogo. Há ataques provenientes de milhões de computadores que que chegam em mais de 100Gb/s de banda.

Muitos especialistas da área e com experiência de mais de 10 anos dizem que os ataques DDoS de hoje são os mesmos de 5 anos atrás, mas agora, graças as redes sociais, eles são divulgados. Eu acredito que hoje há uma coordenação dos ataques, novas ferramentas e posso me atrever a dizer que há novos tipos de ataque.

O fato é que não há uma solução, configuração ou produto mágico que seja capaz de mitigar estes ataques por completo, mas sim a implementação de várias contra medidas, dependendo é claro do seu ambiente e do seu bolso para minimizá-los, isso sem falar naquele velho ditado “Tenha uma arma maior que a do seu inimigo”, que neste caso é banda.

P.S.: Eu e muitos outros profissionais preferimos o CSF, já apresentado e comentado pelo Alan Sanches no último hackingday e ferramenta utilizada na infra do Desafio Hacker ao invés do APF, mas um aviso importante, ele não bloqueia ataques DDoS.

fontes: http://www.hackersgarage.com/ e http://www.mydigitallife.info/prevent-and-stop-dos-or-ddos-attacks-on-web-server-ddos-deflate/

 

 

Leia Mais

O que é um Streaming de Audio

O que é um Streaming de Audio:

Streaming (fluxo, ou fluxo de mídia)é uma forma de distribuir informação de audio e video pela Internet através de pacotes.

O streaming consiste em um tipo de arquivo capaz de ser executado mesmo enquanto ainda está sendo baixado pela  Internet; muito utilizado para distribuir conteúdo de audio (Web radios), No streaming, as informações da mídia não são arquivadas pelo usuário que está recebendo a stream (a não ser a arquivação temporária no cache do computador).  A mídia é constantemente reproduzida à medida que chega ao usuário, e se a Internet for de boa qualidade pode ser reproduzida em tempo real, o usuário aguarda alguns segundos e após esta pequena espera, o som tem início, estes primeiros segundos são usados para criação de um buffer na memória do PC, uma espécie de depósito de dados para que o tocador (player) não pare caso a conexão piore durante o streaming.

Para realizar este trabalho são necessários Codificadores e Decodificadores de áudio.

Atualmente, com o advento de tecnologias como o ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line),  Internet via Cabo, rádio, WiMAX, permitem novos horizontes na Internet, como por exemplo, o vídeo sob demanda (video on demand). Também é possível  ouvir radios e assistir a vídeos em streaming via telefone celular ou na tela do computador.

É uma tecnologia que tem possibilitado a muitas pessoas em todo o mundo terem acesso a conteúdo que antes nao era possivel através da internet. Por exemplo, se estamos no Brasil, podemos assistir e ouvir Tvs e Rádios de outros países. Utilizando somente um computador ou um telefone com tecnologia 3G.

Os 3 principais sistemas de Streaming são:

Windows Media

O Windows Media é o mais popular dos players na plataforma PC justamente por vir instalado com o Windows. Para codificar os arquivos em Windows Media Áudio, entretanto, é necessário fazer o download do Windows Media Encoder. Ambos os programas são de uso gratuito.

Usa o conceito de target audiences (audiências alvo) que são escolhidas durante o processo de codificação. Possui a tecnologia Intelligent Streaming, que tenta ajustar o fluxo de áudio para as diferentes velocidades de conexão. No caso de vídeos, por exemplo, a medida que a conexão piora, o sistema passa a mandar menos frames, procurando manter o som inalterado. Da mesma forma que o RealSystem com seu SureStream necessitam de servidores Real, apenas Windows Media Servers (servidores especiais de Web) podem executar Intelligent Streaming.

QuickTime

Apesar do pioneirismo da Apple em multimídia, o quicktime não foi originariamente criado para streaming. A empresa demorou a perceber o potencial desta tecnologia e só mais tarde o quicktime ganhou capacidades de fazer stream. O Quicktime é usado tanto para decodificar (tocar) o arquivo stream quanto para codificar. Embora esta funcionalidade só esteja na versão profissional do programa.

Ao ser acionado, o Quicktime especifica um nível de qualidade de streaming do arquivo a partir da análise da velocidade de conexão. O streaming é iniciado a partir deste instante.

RealSystem

O Real, da empresa RealNetworks, possuir um player chamado RealPlayer ou RealOne e usa o codificador Real Producer ou Helix Producer para a criação dos arquivos stream.

Usa uma tecnologia chamada de SureStream, recurso que entrelaça vários níveis de qualidade no mesmo arquivo. À medida que a taxa de transferência da conexão varia, a qualidade do streaming enviado é escolhida dinamicamente. Ele tenta enviar sempre o som com a melhor qualidade possível na conexão disponível. Para que este recurso funcione, entretanto, é necessário que o arquivo sonoro esteja armazenado em um RealServer ao invés de um servidor Web padrão.

Servidores de Streaming

Á princípio não é necessário ter um servidor especial para colocar arquivos de áudio ou vídeo com download streaming em nossas webs. Qualquer servidor normal pode mandar a informação é o cliente quem se encarrega de processá-la para poder mostrá-la na medida em que for recebendo.

Entretanto, existem servidores especiais preparados para transmitir streaming. Embora em muitas ocasiões não seja necessário utilizá-los, podem nos oferecer importantes prestações como mandar um arquivo de maior ou menor qualidade dependendo da velocidade da Internet.

Em determinados casos, como para funcionamento de uma rádio ou a transmissão de um evento ao vivo, será imprescindível ter um servidor de streaming que vai receber o sinal; e ele enviará a todos os clientes na medida em que vai recebendo o sinal.

Leia Mais

Servidores Dedicados Windows ou Linux?

Olá 🙂

Você já pensou na importância de um Servidor Dedicado para o crescimento de sua empresa? Já pensou que tudo isso pode ser um grande passo para o crescimento de seu negócio online?

Nós temos ótimas soluções de servidores dedicados, sejam eles servidores Windows ou Servidores Linux nós podemos suprir a suas necessidades com o melhor custo benefício do mercado!

A dezenas de anos a nossa empresa conta com diversos servidores em todo o mundo e todos eles são comercializados para grandes e pequenas empresas que desejam um servidor dedicado exclusivo…

Seja qual for o seguimento ou projeto, seja  servidor dedicado para jogos ou servidores para empresas ou um servidor dedicado email marketing, nós temos esta solução com o melhor custo beneficio!

Confira nossos planos promocionais em nosso site acessando o link: http://www.servermedia.com.br/servidor-dedicado

Leia Mais

Streaming de Vídeo On demand

A Server Media inicia sua nova jornada para a promoção de seu mais novo produto, Streaming de Vídeo on demand 2.0. Com esta ferramenta possibilitamos o cliente de realizar uma transmissão de vídeo via internet com melhor custo benefício, qualidade e estabilidade.

Nosso streaming de vídeo para tv funciona de duas maneiras, podendo ser streaming on demand ou streaming ao vivo de vídeo, ambos as transmissões contam com um streaming de vídeo hd.

Verifique já em nosso site, nossos planos de streaming de vídeo e desfrute de nossa tecnologia superior.

Leia Mais

WhatsApp para no Computador

Para alegria de muitos o WhatsApp lançou uma solução oficial para quem deseja usar o WhatsApp no computador ou seja, você poderá conversar com seus amigos pelo computador e utilizar o teclado do computador o que é bem mais fácil.

Não será preciso baixar nenhum programa para utilizar o WhatsApp para PC, apenas ter o navegador Google Chrome instalado em seu computador para poder sincronizar sua conta do WhatsApp.

A sincronização é muito simples de fazer, você escaneara um QR Code que automaticamente sincronizará o WhatsApp do celular com o navegador. Você terá as mesmas funções que o aplicativo do celular, sem contar que poderá utilizar ao mesmo tempo nas duas interfaces mobile e desktop.

Você precisará atualizar seu aplicativo WhatsApp do celular para que a opção de utilizar o aplicativo pelo navegador do Google Chrome de seu computador esteja disponível.

Leia Mais

Como Instalar CPanel

O cPanel é um dos mais populares gerenciadores de host existente no mercado. Com uma interface amigável e intuitiva, torna seu uso extramamente fácil. Neste post irei mostrar como realizar sua instalação em um servidor linux com CentOS instalado.

Antes de começar a instalação certifique-se que os seguintes componentes estão instalados:
yum install -y gcc gcc-c++ gettext strace automake strace64
gdb bison libtool tar zip perl screen tcp_wrappers-devel wget

Em seguida, realize os seguintes passos:
screen -S cpanel-install # Abre um novo terminal
mkdir /home/cpins
cd /home/cpins
wget http://layer1.cpanel.net/latest
sh latest

Explicando:
Como a instalação do cPanel demora um pouco, é recomendado que seja instalado em background ou em screen. Com o comando screen é possível rodar vários terminais em um só.

Para sair do terminal que foi aberto pressione Ctrl+a e Ctrl+d.

Leia Mais

Como Configurar o Firewall CSF em seu Servidor

Primeiro execute o seguinte comando que você tem todos os módulos necessários para a execução do iptables disponíveis CSF completo. Não se preocupe se você não pode executar todos os recursos, contanto que o script não relatar quaisquer erros fatais

 

Root @ server1 csf] # perl / etc / csf / csftest.pl
ip_tables Testes / iptable_filter … OK
Testing ipt_LOG … OK
Testing ipt_multiport / xt_multiport … OK
Testing ipt_REJECT … OK
ipt_state Testes / xt_state … OK
ipt_limit Testes / xt_limit … OK
ipt_recent Teste OK …
ipt_owner teste … OK
iptable_nat Testes / ipt_REDIRECT … OK

RESULTADO: csf deve funcionar no servidor

Parece OK 100%.

Agora, se você estiver executando o firewall apf_bfd, ele tem que ser removido para obras CSF.

[Root @ server1 csf] # sh / etc / csf / remove_apf_bfd.sh
Remoção apf e / ou bfd …

/ Etc / csf / remove_apf_bfd.sh: Linha 5: apf: comando não encontrado
informações de erro de leitura no serviço apf: Nenhum arquivo ou diretório
erro de leitura informações sobre o serviço apf: Nenhum arquivo ou diretório

Feito …

se eu não usá-lo, não tão encontrado.

Agora para configurar csf config para implementar firewall de acordo com a nossa necessidade.

 

[root@server1 csf]# vi /etc/csf/csf.conf

 

A TAG seguinte será executado csf em Testando o modo como se por engano bloquear a nós mesmos para fora, ele irá liberar todas as regras de firewall em 5 minutos para chegar em e fixas.

TESTE = “1”

Vamos mudar isso para zero “0” quando nós terminamos e certeza de que temos todas as regras para a direita dentro

Coloque as suas portas todos os que você quer ser aberto em seu servidor para o tráfego de entrada separadas por vírgula.

TCP_IN = “20,21,22,25,53,80,110,143,443,465,587,993,995”

Também abrir qualquer porta que você quer para o tráfego de saída

TCP_OUT = “20,21,22,25,53,80,110,113,443”

O mesmo vale para UDP_IN e UDP_OUT, seja lembrar se você estiver executando o serviço de DNS, então você tem que abrir a porta 53 em UDP_IN como DNS porta 53 corridas em UDP em vez de TCP

UDP_IN = “20,21,53”

Para permitir a saída traceroute 33434:33523 adicionar a esta lista

UDP_OUT = “20,21,53,113,123,33434:33523”

Se você gosta de pessoas ping seu servidor sem qualquer timout de mudança de valor seguindo a zero “0”, porque padrão de ping valor limite de 1 por segundo, o que pode mostrar-lhe o ping tempo limite e você pode ter a impressão de que seu servidor está descartando pacotes.

ICMP_IN_RATE = “0”

Proteção Synflood já está habilitado e se você quiser mudar o valor da taxa ou BURST você pode usar as seguintes linhas para coincidir com o seu tráfego.

 

 

SYNFLOOD = “0″
SYNFLOOD_RATE = “100/s”
SYNFLOOD_BURST = “150″

 

Atualmente a taxa é de 100 / s BURST e pode até 150. Isso pode ser varry de servidor para servidor.

Para proteger o servidor de qualquer porta específica de ataques DOS, você pode defini-lo em tag PORTFLOOD. Esta opção limita o número de ligações por intervalo de tempo que novas ligações podem ser feitas a portas específicas.

Por padrão o seu vazio e eu gostava de limite de 20 conexões por 5 segundos para a porta 80 (servidor web).

PORTFLOOD = “80;tcp;20;5″

Ele define proteger porto funcionamento 80 sobre protocolo TCP, 20 ligações por 5 segundos. Use o mesmo para mais portas seguidos por dois pontos Semmi;.

Definir endereço de e-mail para que você precisa para receber alertas e definir o endereço de e-mail para o qual você deseja obter.

LF_ALERT_TO = “contato@meuvps.com.br”

LF_ALERT_FROM = “csf@meuvps.com.br”

Isto irá implementar firewall mais do que você precisa. Ele tem toneladas de opções e você pode editar csf.conf para sua necessidade.

Após este salvar o arquivo e reiniciar o serviço de CSF.

[root@server1 csf]#  /etc/init.d/csf restart

 

Susto de comandos grandes iptables funcionando em :)

Ok começar Testando modo e agora você tem que verificar regras implementar corretamente ou não, e se você acidentalmente bloquear a si mesmo, aguarde 5 minutos e depois relogin para corrigi-lo ou logar-se em seu painel de VPS no Brasil e utilizar o sistema de acessar a sua SHELL direto do Painel Administrativo.

Se você concluiu com configuation e certeza de que a cada regras é implementado corretamente, então mudar Teste 1-0 para CSF funcionam permanentemente.

TESTING = “0″

e reiniciar o serviço novamente para ativá-lo.

[root@server1 csf]#  /etc/init.d/csf restart

Para permitir que os endereços IP através de iptables inserção, um IP por linha. Se quiser permitir que completa bloco uso notação CIDR

[root@server1 csf]# vi /etc/csf/csf.allow

192.168.0.1
192.168.1.0/24

Estes IP também deve ser definir em / etc / csf / csf.ignore a ser de ignorar daemon lfd da verificação.

Para negar endereços IP será permitido através do iptables, um endereço IP por linha. Se querem negar completa bloco uso notação CIDR

[root@server1 csf]# vi /etc/csf/csf.deny

192.168.0.5 #do not delete

O # não exclua opção irá dizer csf para igonore o DENY_IP_LIMIT tag e não excluir ip deste arquivo.

Agora você tem a instalação de firewall completo de recursos e funcionando sem qualquer erro. O trabalho que você tem que fazer agora é voltar a ler / etc / csf / csf.conf arquivo completo e veja todas as opções que dá e mudar de acordo com sua necessidade firewall. Espero que agora facilmente editá-lo e fazer mais com ele. Se você precisar de alguma ajuda, por favor comentários para beneficiar a todos.

Leia Mais

Aprenda a instalar o Linux no seu computador

Sistemas operacionais baseados em Linux já foram complicados de usar, ao menos quando comparado ao Windows, mas avanços recentes têm deixado a plataforma mais amigável. Pensando nisso, preparamos um passo a passo que ensina a instalar o Ubuntu na máquina, considerada a distribuição de Linux mais intuitiva.

Antes de mergulhar no procedimento, preste atenção a três recomendações:

1) Faça um backup de todos os seus arquivos importantes

Instalar um novo sistema operacional pode comprometer os arquivos do computador. Então faça um backup de fotos, vídeos, textos, tudo o que julgar importante, e leve o conteúdo para um HD externo.

2) Saiba que os softwares serão muito diferentes

No Linux, você vai encontrar alguns programas com os quais está acostumado, como Firefox, Chrome e outros. A maioria, entretanto, não está disponível porque o Linux possui uma comunidade de desenvolvedores que cria, gratuitamente, programas equivalentes para o OS.

Não há Photoshop, por exemplo, mas há o GIMP. Não há Microsoft Office, mas há o LibreOffice. Não há Lightroom, mas há o Darktable. Alguns dos programas não são tão bons quanto os disponíveis para Windows, mas por outro lado alguns são até melhores. Cabe a você experimentar.

3) O processo é demorado

Você não vai precisar digitar nenhum comando complexo ou adquirir conhecimento prévio para fazer isso, mas o processo é longo e varia um pouquinho de computador para computador. É possível que você mexa com certas coisas que nunca viu. Este processo (e o sistema Ubuntu) é utilizado por milhões de pessoas no mundo, mas vale dizer desde já que nós não responsabilizamos por eventuais danos causados à sua máquina. Por isso recomendamos que o backup seja feito antes de tudo.

De acordo? Então, mãos à massa!

1) Faça o download do Linux

O sistema operacional Linux é disponibilizado de forma gratuita, em vários tipos de distribuições diferentes, por meio de downloads. O escolhido por nós para este tutorial, o Ubuntu, pode ser baixado em http://www.ubuntu.com/download/desktop.

Escolha a versão 12.04 LTS. O termo “LTS” significa “Long term Support”, ou “Suporte a longo prazo”. Se seu computador utilizava Windows XP ou possui menos de 2GB de RAM, provavelmente era equipado com um processador de 32 bits. Caso você tenha certeza de que o seu processador tem 64 bits, faça o download da versão apropriada.Reprodução

Na próxima tela, uma mensagem pedirá doação (voluntária) para manter o desenvolvimento do programa. Se você não quiser contribuir, ignore-a e clique em “Not now. Take me to the Download”, na parte de baixo. Na próxima página o download iniciará automaticamente.Reprodução

2) Grave um disco do sistema operacional

Utilize um gravador de DVD para montar um disco do sistema. Recomendamos utilizar o software “IMGburn”, disponível aqui. Após instalar o programa, abra-o, coloque um DVD virgem no drive e escolha a opção “Write Image file to disk”.

Reprodução

Clique na pastinha amarela, na parte de cima, para escolher o arquivo que você acabou de baixar (em vermelho, na foto), certifique-se de que a opção “Verify” não está marcada (em azul) e depois clique no desenho da gravação (marcado em verde) para criar o disco.

Reprodução

Assim que ele estiver pronto (este processo demora um pouco), chegamos a uma parte um pouco mais complicada.

3) Prepare seu computador para inicializar do drive de DVD

Verifique se o seu computador inicia direto do drive de DVD. Isso ocorre caso você já tenha reinstalado o Windows ou formatado a máquina, por exemplo. Faça o teste colocando o DVD no drive e iniciando o computador. Caso inicie no Windows, continue lendo. Se a instalação do Ubuntu começar de imediado, pule para a etapa 4.

Reinicie seu computador e entre na BIOS (basta pressionar uma tecla, logo que ele é ligado, bem antes de o Windows começar a aparecer). Dependendo do seu computador, pode ser “Del”, “F1” ou “F2”.

Reprodução

Não há como saber se a tela que aparecerá será parecida com esta ou não, mas as opções são as mesmas. Caso você não encontre uma forma de mudar a ordem de inicialização na sua bios, não será possível instalar o sistema. Como existem diferentes bios, não podemos prever como será a sua, então vamos dar uma explicação geral do processo.

Com as setas do teclado, selecione a opção BOOT e coloque em primeiro lugar da ordem seu drive de CD-ROM ou DVD-ROM. No caso desta BIOS, isso é feito com as teclas F5 e F6, enquanto em outras é feito com as teclas + e -.

Reprodução

Feito isso, salve as mudanças e saia da BIOS, indo até a aba exit (com as setas do teclado) e escolhendo “Exit Saving Changes”. O processo pode ser um pouco diferente dependendo do computador utilizado, mas todos possuem opção parecida.

Reprodução

4) Coloque o CD no drive e inicie a instalação

Agora, basta colocar seu DVD no drive e reiniciar o computador com ele. A tela do Ubuntu vai aparecer e logo a instalação se inicia.

Reprodução

Primeiro, escolha a língua desejada (Português do Brasil) na lista do lado esquerdo e clique em “Instalar o Ubuntu”.

Reprodução

Se quiser saber como funciona o sistema antes de instalar, use a opção “Experimentar o Ubuntu”. Infelizmente, desta forma, o sistema será mais lento, por rodar de um drive de DVD em vez de diretamente da HD. Clique em “Instalar o Ubuntu” para continuarmos.

5) Conecte-se à internet

Reprodução

Caso você esteja usando Wi-Fi, há um ícone no canto superior direito para se conectar. Caso use um cabo, a internet já estará funcionando normalmente. Selecione, na próxima tela, as duas opções: “Baixar Atualizações enquanto instala” e “Instalar programa de terceiros”. Escolha “continuar”.

Reprodução

6) O clique sem volta

Escolha a opção “Apagar disco e reinstalar Ubuntu”. Isso apagará definitivamente tudo o que há no seu computador e instalará o novo sistema. Entretanto, no campo “Opção Avançada”, logo abaixo, você pode particionar o HD para usar outro sistema juntamente com o Linux. Atenção: este passo é indicado para pessoas com conhecimento mais avançado.Reprodução

7) Escolha o teclado

Mesmo tendo escolhido a língua nativa, é preciso ajustar o teclado. Se seu teclado foi comprado no Brasil, é um ABNT ou ABNT2 (após escolher “Português”, do lado esquerdo). Se foi um notebook comprado fora do país, provavelmente está dentro de English (US) e é o teclado “English US Alternative International”.

Reprodução

Faça o teste ali embaixo, para se certificar de que escolheu o correto. Teste acentos, cedilhas e tudo mais.

8) Crie nome de usuário e senha

Preencha este cadastro como se fosse uma conta online. Não se esqueça da senha escolhida: é com ela que você ligará seu computador. No próximo passo, simplesmente escolha uma imagem e dê OK.

Reprodução

9) Vá assistir TV

O programa fará a próxima parte automaticamente, mas isso demora bastante. Não tenha pressa e vá fazer outra coisa.

Reprodução

10)  Fim

Clique em “Reiniciar”, remova o disco do drive e pronto. Seu sistema agora tem o Ubuntu instalado. Ao reiniciar, coloque a senha que você criou no passo 8 e aproveite o novo sistema.

Reprodução

Algumas dicas:

Com o sistema recém-instalado, você verá uma barra à esquerda com alguns aplicativos, entre eles o Firefox e o LibreOffice, com um editor de texto, uma planilha eletrônica e um criador de
apresentações, similar ao Microsoft Word, Excel e Powerpoint.

Reprodução

Logo abaixo há a Ubuntu Store, uma loja de aplicativos semelhante àquelas disponíveis para smartphones Android, iOS e Windows Phone. É só procurar, clicar e o programa é instalado automaticamente.Reprodução

Existem milhares de aplicativos para Linux, assim como para Windows. Descubra quais são os seus preferidos. Se precisar de ajuda com o sistema, vale a pena procurar o Ubuntu Fórum, onde muitas dúvidas de iniciantes na plataforma já foram respondidas.

Com paciência, dá pra aprender o novo sistema. Agora, se você não se acostumar e não quiser voltar ao Windows XP, talvez seja realmente hora de comprar uma máquina nova, para rodar Windows 7 ou 8.

Leia Mais

Quatro tipos de erros mais comuns em programação PHP

Erros são inevitáveis. Sempre, a falta de tempo que ronda os programadores, está relacionada não com a geração de códigos em si, mas com a eliminação de erros no código (debuging); uma longa e árdua tarefa. Não pense em erros como problemas, mas como oportunidades de melhorar seu código para certificar a funcionalidade do projeto final.

Esse artigo examina 4 tipos de erros na Internet, como reconhecê-los e, finalmente, como concertá-los rapidamente. Depois, eu dou uma olhada em erros do PHP em específico, incluindo como eles ocorrem.

Os 4 tipos de erros mais comuns em programação.

Normalmente, os erros na Internet podem ser divididos em 4 categorias. Vamos dar uma olhada em cada uma delas, mostrando um exemplo.

1. Erros de Sintaxe

Esses são erros de digitação ou outro erro no código que bloqueiam a execução de um script. Vamos ver um exemplo:

$i = 0

echo $i;

O código acima produz um erro, pois todas as linhas executáveis em PHP devem terminar em ponto-e-vírgula.

São também erros sintaxe o não fechamento de parênteses ou colchetes, erro de digitação de palavras-chaves, chaves sobrando, entre vários outros. Muitas vezes, erros de sintaxe são fáceis de diagnosticar por que as mensagens de erro mostram o problema e também sua localização.

2. Erros de Semântica

Erros de semântica envolvem códigos técnicamente corretos que contêm problemas com o significado do código. Já que os compiladores sempre apontam os erros, erros de semântica podem ser encontrados e diagnosticados, na maioria das vezes, sem muita dor de cabeça.

Olhe o exemplo:

include(“arquivo.txt”);

… seria um erro de semântica se o arquivo.txt não existisse e, dessa forma, não poderia ser incluído no documento. Note que erros de semântica podem se confundir facilmente com erros de sintaxe, porém, um script pode ser executado até o ponto onde está o erro, diferentemente dos scripts que contém erros de sintaxe. Isso se deve ao fato de conterem códigos corretos, como no exemplo acima. O que acontece é que o arquivo.txt não existe, mas o compilador não tem como saber disso enquanto ele não atingir a linha específica.

3. Erros de Lógica

São os mais difíceis de diagnosticar, erros de lógica contém códigos sintática e semanticamente corretos, mas não executam da maneira que o programador quer. Isso é o que deixa os programadores malucos, especialmente quando os códigos são extensos e complexos.

Erros de lógica podem ser simplesmente uso incorreto de operadores (+ no lugar de -, || no lugar de &&). Erros de lógica podem ser tão complexos quanto chamadas a registros de bancos de dados com SQLs mais elaborados. Podemos exemplificar uma lógica errada em PHP assim:

$estados = array (“MG”, “DF”, “SP”, “RS”, “CE”);

echo “O primeiro registro no array de Estados é ” . $estados[1];

Os 5 estados listados são gravados em um array chamado “estados”. O erro de lógica vem na segunda linha, quando queremos exibir o primeiro registro do array, ou MG. Programadores experientes notariam esse erro imediatamente, mas para aqueles que não tem muito conhecimento em programação, pode ser mais complicado. Essa forma de declaração de array faz com que o primeiro registro seja 0 e não 1. Para corrigir esse erro, basta modificar a saída estados[1] para estados[0].

Outro erro de lógica pode ser uma inclusão de um arquivo incorreto, deixar de tratar uma data, entre outros. Compiladores não podem encontrar erros de lógica, já que não tem conhecimento sobre o que o programador deseja fazer. No pequeno trecho de código acima, não há nada errado em exibir o registro número 1 do array, então o compilador executou sem problemas. Dessa forma, erros de lógica só podem ser encontrados e remediados pelo programador.

4. Erros de ambiente

Erros de ambiente são sempre desprezados, mas são bastante preocupantes na Internet. Erros de ambiente são erros que estão além do controle do programador, pode ser qualquer coisa além dos componentes de linguagem como, por exemplo, o valor da register_globals estar setado para off no php.ini. Notamos que erros de ambiente ocorrem com muito menos freqüência do que os outros tipos.

Erros Específicos do PHP

As mensagens de erro do PHP, na maior parte dos casos, são bastante amigáveis. Vamos dar uma olhada em algumas e qual código as produziu.

Código:

includ(“arquivo.txt”);

Erro:

Fatal error: Call to undefined function: includ() in c:program filesapache groupapachehtdocs estserveroperator.php on line 21

Comentário:

Assumindo que includ() seja uma função indefinida, um erro semântico ocorre e a execução pára. Como você pode ver, o PHP mostra o erro e alguns detalhes (função indefinida), além de fornecer a linha onde ocorreu o erro.

Código:

$i = 1

echo $i;

Erro:

Parse error: parse error in c:apache htdocs esteoperadores.php on line 13

Comentário:

Usando o erro de sintaxe acima, o compilador sem dúvida irá achar a falta do ponto-e-vírgula na primeira linha do código. Contudo o erro não diz especificamente “Está faltando um ponto-e-vírgula”, um parse error diz ao programador que ocorreu um erro de sintaxe. Isso permite ao programador afiar sua habilidade de ‘debugar’ um tipo de erro específico.

Devemos lembrar que se o parse error for erro de sintaxe, nada será executado no script. Uma vez adicionado o ponto-e-vírgula à primeira linha do código, o script funcionará com sucesso.

Código:

// $j nem foi declarado ainda…

echo $j;

Erro:

Warning: Undefined variable: j in c:apache htdocs esteoperadores.php on line 12

Comentário:

Como você pode ver, isso é um aviso, não um erro (neste caso, a mensagem de atenção – warning – também é conhecida como nota – notice). Warnings ocorrem quando o PHP determina que alguma coisa está errada com o script, mas não é grave o suficiente para parar a sua execução.

É essencial entender que warnings não param a execução de um script. Quando um warning é encontrado, uma mensagem será exibida junto da saída do script, onde a linha do código contiver o problema. O PHP continuará a executar o restante do código até o fim.

Por exemplo, o código seguinte:

$i = 1;

echo $x;

echo $i;

Produzirá essa saída:

Warning: Undefined variable: x in c:apache htdocs esteoperadores.php on line 21

Leia Mais